Home > Viajante Hiperconectad@ > Os snacks de rua mais diferentões do planeta
17 de fevereiro de 2016

Os snacks de rua mais diferentões do planeta

Dos bichos da seda em Seul à geleia de enguia na Inglaterra: snacks de rua diferentões

Confesso: apesar de me considerar uma pessoa gastronomicamente aventureira nunca consegui achar normal me deparar com larvas de bicho da seda cozidas e servidas em saquinhos de pipoca. Muito menos ver aquelas lindas criancinhas de Seul, na Coréia do Sul, se deliciando com o petisco. Ah, até os carrinhos do tal bundegi têm um quê dos de pipoca.

1-to-go-blogs-viajante-hiper-xmagic
Foto: iStock/xmagic

Sorte que as criancinhas coreanas têm também os tayiaki, esse fofos bolinhos em formato de peixe. Mas quando você espera um recheio normal, tipo um doce de leite, vem feijão doce, claro. Os tayiaki também são bem comuns no Japão.

2-to-go-blogs-viajante-hiper-153photostudio
Foto: iStock/153photostudio

Voltando aos insetos. Talvez isso não soe bem para a maioria dos brasileiros, mas comê-los regularmente é comum em ao menos 120 dos 193 países filiados à ONU. Mesmo no Brasil. No Vale do Paraíba, estado de São Paulo, o içá, uma espécie de formiga saúva de asas, é uma iguaria apreciadíssima, especialmente para fazer farofa. É sazonal – aparece na época de chuvas – e tão cara que ficou conhecida como “caviar do Vale”. Em São Paulo, o apelido faz ainda mais sentido. Alex Atala serve no D.O.M.

Já no México, os campeões de audiência são os chapulines, pequenos gafanhotos fritos com muito tempero. Clássicos em mercados de cidades como Oaxaca. E, dizem os mexicanos, não há nada melhor para acompanhar tequila ou mezcal.

3-to-go-blogs-viajante-hiper-agcuesta
Foto: iStock/agcuesta

Também em versões mais bonitinhas, para comer no cinema, por exemplo.

4-to-go-blogs-viajante-hiper
Foto: @cindywilk

Mezcal é aquela aguardente também feita de Agave, como a tequila, mas de uma forma mais artesanal, destilada menos vezes e produzida em menor escala. É tradição que a bebida venha com um gusano, a larva de uma espécie de borboleta, no fundo da garrafa. Quem fica com a última dose leva o gusano.

4-to-go-blogs-viajante-hiper-Trifonov_Evgeniy
Foto: iStock/Trifonov_Evgeniy

Se bem que hoje, nessa onda de “raios gourmetizadores” por todo lado, as garrafas de mezcal mais chiques não vêm mais com gusanitos afogados. A onda é flor de sal de gusano para acompanhar o shot.

5-to-go-blogs-viajante-hiper-javarman3
Foto: iStock/javarman3

E não dá para falar de snacks estranhos sem mencionar o Mercado Noturno de Beijing, na China, com seus clássicos espetinhos bizarros.

6-to-go-blogs-viajante-hiper-Mfotokon
Foto: iStock/Mfotokon

Clássicos aqui significam escorpiões, estrelas-do-mar, cavalos marinhos e outras esquisitices como pele de cobra e até franguinhos com cabeça e tudo.

E quando você já vem esperando a coisa mais estranha do mundo percebe que estes espetinhos são de… tomate.

7-to-go-blogs-viajante-hiper-aphotostory
Foto: iStock/aphotostory

Para quem está achando que snacks diferentões não são populares nos países europeus, vá com calma. Procurando direito eles podem estar nas mais insuspeitas barraquinhas de rua. Nesta aqui, por exemplo, no promenade de Brighton, cidade praiana a uma hora de Londres, na Inglaterra.

8-to-go-blogs-viajante-hiper-BluesandViews
Foto: iStock/BluesandViews

A Jellied Eel – geleia de enguia – é um petisco de rua tradicional da Inglaterra Vitoriana. Aliás, durante o reinado da Rainha Victoria (1837-1901), comer de pé em barraquinhas de rua era mais comum do que hoje em dia apesar de acharmos que vivemos na era do fast food. E a geleia de enguia era perfeita tradução de calorias rápidas por pouca prata. Hoje, difícil é encontrar a iguaria – nas ruas ou fora delas. Mais difícil é encarar, ao se deparar com uma.

9-to-go-blogs-viajante-hiper-monkeybusinessimages
Foto: iStock/monkeybusinessimages
Cindy Wilk
Cindy Wilk

Cindy rodou mais de 40 países, ama praias e desertos, acha a Ásia o continente mais aconchegante do mundo e não pretende parar nunca de viajar para escrever e escrever para viajar. Autora de Endereços Curiosos de Londres (Panda Books) e Volta ao Mundo em 101 Dicas (Ediouro), colaborou para várias publicações de viagem e foi diretora de redação da revista TAM nas Nuvens.